Tudo que você precisa saber para abrir seu pet shop

Publicado em:
1/10/2021

Nos períodos em que a maioria dos estabelecimentos estavam fechados, por conta da quarentena, os pet shops foram um dos únicos a permanecerem abertos. Considerado um serviço essencial, o mercado pet do Brasil é hoje o segundo maior do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos. Além disso, segundo o IBGE, em 2018 existiam mais de 100 milhões de cães e gatos no país — concentrados principalmente na região Sudeste. Com a pandemia, esse número aumentou ainda mais.


Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet), em 2020 o faturamento de serviços voltados para pets chegou a 27,02 bilhões de reais. O crescimento em comparação com 2019 foi de 11%.


Esses dados, associados ao baixo custo de investimento, são os que causam o aumento de pet shops e veterinários em cidades do Brasil. Segundo o Instituto Pet, das 31,6 mil lojas especializadas, 79,6% são pet shops de bairro e têm um faturamento mensal em torno de 60 mil reais.


As oportunidades de empreender nessa área são atraentes. Se esse é o tipo de negócio que você sempre sonhou ter, confira esse passo a passo de como começar e aproveite o Dia dos Animais, que acontece 4 de outubro, para se inspirar e começar seu negócio!


Faça uma pesquisa de mercado 


O primeiro passo para abrir qualquer negócio é fazer um planejamento e um estudo de mercado. Conheça os pontos positivos e negativos de empreender nesse segmento, a concorrência e defina suas metas e estratégias. Quanto mais bem feito for seu plano de negócios, melhores as chances de sua loja atingir sucesso. Caso você não saiba por onde começar, o Sebrae é uma das referências no assunto. 


Em relação aos seus concorrentes, é importante estudá-los a fundo. Ande pelo bairro onde pretende abrir sua loja e conheça cada pet shop, veja quais produtos oferecem, os valores dos produtos e serviços e como os funcionários atendem a clientela. Não se esqueça de mapear também concorrentes indiretos: grandes redes, e-commerces, entre outros.


Por ser um mercado aquecido, o setor pet exige atenção às tendências e mudanças. Esteja presente em eventos, leia relatórios e fique atento às novidades que você pode implementar no seu negócio. Inspire-se e seja criativo!


Esteja atento à legislação 


Uma parte essencial no funcionamento de um pet shop é ter toda a documentação necessária. O Conselho Regional de Medicina Veterinária da sua região, a prefeitura, a vigilância sanitária e até o Ministério da Agricultura devem ser procurados antes mesmo de você abrir as portas. 


Além disso, se você pretende comercializar ou criar um centro de adoções, é necessário se inscrever no Cadastro Municipal de Comércio de Animais (CMCA). Caso você ofereça banho e tosa, o espaço deve ser separado do restante da loja e ter no mínimo dois metros quadrados com piso e paredes impermeáveis. 


Fique atento às recomendações do Conselho Federal de Medicina Veterinária e também ao da sua região. Essas organizações são responsáveis pela regulamentação do mercado, por isso, não esqueça de consultá-las sempre.


Defina o que você vai oferecer


Seu público é parte fundamental do seu negócio. Além de saber quais são os animais da sua região, saiba também o que seus donos estão procurando. Por isso, conheça não só as raças e espécies que pretende atender, mas também quais produtos e serviços serão procurados


Os mais comuns são: alimentação (ração, biscoitos, etc.), veterinários (atendimento médico no geral), produtos (brinquedos, roupas, remédios, etc.), hospedagem, adestramento, banho e tosa. Dependendo do animal e da renda do dono, o custo por mês com os pets pode chegar a 300 reais.

Encontre fornecedores e parceiros


Dependendo dos serviços e produtos que você oferecerá na sua loja, serão necessários vários fornecedores. Feiras voltadas para donos de pet shop podem te ajudar a encontrar os melhores preços e produtos de qualidade. Procure desde rações e brinquedos até secador e máquina de tosa. 


Pense também em quem te ajudará a tornar seu pet shop um sucesso. Adestradores, groomers (ou tosadores)e atendentes são essenciais para o funcionamento do negócio. Segundo o Instituto Pet, pet shops de bairro têm em média cerca de 4 funcionários.


Além disso, segundo o decreto nº 40.400/1995, artigo 3º, todo estabelecimento que ofereça produtos e serviços veterinários tem que ter um médico veterinário responsável. Ele deve cumprir pelo menos seis horas por semana na loja e orientar a equipe para melhorar o atendimento e esclarecer dúvidas.


Busque se diferenciar


Por ser um mercado competitivo, lembre-se de diferenciar seus produtos e serviços. Alguns estabelecimentos oferecem, por exemplo, pet shop móvel (para atendimento em domicílio) ou transporte dos animais. 


Fique atento também à estrutura do local, que deve estar sempre limpo e organizado. Caso você tenha dificuldade com a organização, invista em programas de automatização de fluxo de caixa, controle de estoque e agendamentos.


Por último, sendo um serviço recorrente, ou seja, que acontece com certa frequência, seus clientes sempre estarão procurando por novidades e lojas que atendam seus interesses. Não permita que eles esqueçam do seu pet shop e comecem a frequentar a concorrência. Por isso, invista na divulgação digital e ofereça benefícios para que eles voltem. 


Quer que seus clientes voltem e gastem mais? Fale com nosso time

Barbara Bastos

Formada em Jornalismo, meu foco sempre foi em empreendedorismo  e negócios. Já trabalhei como repórter na revista Pequenas Empresas e Grandes Negócios. Hoje ajudo a tirar todas as suas dúvidas relacionadas aos mais diversos temas aqui no blog da Collact.

Você também pode gostar destes posts

voltar para o blog